quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

desculpa..

Vezes que já tentei, da qual perdi a conta
De mudar o errado, mesmo sem resultado
As alturas que penso em desistir, são mais que muitas
Resistir não é o meu forte, fraquejo
Por ti não irei tão longe !
Deste cansaço, de nada serve .
Repito vezes sem fim a mesma palavra, gritando
Cada vez mais alto .
Tornar-me-ei num animal, num monstro sem sentido ?
A palavra que grito, cada vez que torna mais atenuante, a meu ver.
Dormente e sem forças, deixo-me cair.
A palavra continua em eco, talvez em vão .
Algo me corre na face fria de dor, lágrimas.
Escuridão que me rodeia, o medo se instala em meu ser.
Já não ouço a palavra ' desculpa ' !