sábado, 10 de dezembro de 2011

chuva sobre penas

Dançam ambos sobre chuva intensa que caí sobre a noite escura, suas asas mais belas do que nunca, brilham como estrelas. Com as roupas coladas ao corpo, mas com o calor que cada um transmite, agarrados e fortemente apaixonados.
Anjos de asas brancas e mácias, belos como ninguém vira outrora. Faces tão puramente esculpidas, corpos tão delicadamente defenidos. Ela tão aparemente frágil, ele tão poderoso.
Sobre a pequena luz do luar que os ilumina o suficiente para que continuem a dançar sobre o telhado de um pequeno prédio, sem que ninguém os veja.

Talvez o amor esteja para lá da nossa compreensão, ninguém o sabem defenir ou explicar, ninguém tem uma ideia fixa do que seja. Mas porquê defini-lo quando o que interessa é senti-lo ?


   
 Cristiana Martinho

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

chorei

Situações como esta, faz-me pensar o quando eu gosto de ter um mundo só meu, fechar-me de tudo e todos, apenas eu.
Não, porquê eu posso não ser antipática, apenas acho desnecessário ser simpática com alguém que não goste. Quando mais amigos, falsos amigos, tenha mais problemas me arranjam. Posso ter batido muitas vezes com a cabeça ao ponto de fazer ferida, mas juro que não deixei isso acontecer novamente !
Já chorei pelo errado e pelo certo, já chorei de dor física e emocional, já chorei por amor e por ódio, mas sobretudo já chorei a rir. Pois, descobri que a manifestação de força é disfarçar com um sorriso toda a tristeza que se sente por dentro.

- E que tal aumentarem o volume da música e dançarem ? Dançar até cair ! Não te importes com mais nada nem ninguém.
Arte é uma linguagem, pura comunicação.

Com amor.

Cristiana Martinho

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

assim será !

Deve ter sido a decisão mais instantânea da minha vida, mas com certeza que espero que seja a que terá mais impacto em mim ! Fartei-me de tudo, de sofrer por dentro por uns erros quais queres, de dar sempre parte fraca. Não confiarei em ninguém, nem mesmo em mim própria, pois não quero voltar a fraquegar como fiz à tempos atrás. Apenas vou entrar numa nova fase na minha vida.
Não irei alterar as minhas atitudes com ninguém, sou apenas eu.

Obrigada a todos.


Cristiana Martinho

domingo, 13 de novembro de 2011

alguma vez ?

 Alguma vez tiveram a sensação que todos vos tinham abandonado ? Que não há mais ninguém à vossa volta ?
Alguma vez tiveram a necessidade de um abraço, bem forte e silencioso ?  De ser acarinhado sem qualquer pergunta, como se a outra pessoa vos compreendesse mas sem pronunciar uma única palavra ? 
Alguma vez tiveram saudades do passado, de tudo e de nada ?
Alguma vez sentiram saudades de sorrir de uma forma sincera ?
Alguma vez se identificaram com alguma música, como se fosse escrita para vocês ou por vocês ?
Alguma vez sentiram necessidade de abandonar tudo e fugir, começar de novo noutro sítio ? 

Calculo que sim..
Já pensei tanto nisso que acho que está tudo a tornar-se repetitivo, não é minha intenção culpar quem quer que seja.

Estou farta disto, juro !

Cristiana Martinho

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

gozam


A trovoada lá fora, tão poderosa e magnífica. Cá dentro perguntas pairam no ar à espera de resposta e argumentos válidos. A fragilidade torna-me seu estado de espírito e sua fonte de inspiração. A distância torna-se responsabilidade pessoal e manifesto. Algo mais ? Talvez sim, ninguém sabe ao certo, são apenas respostas individuais e facultativas.
Foge com ligeireza, tão dócil, coitada. É um sobe e desce constante e contínuo ao destino. Bebe algum uísque e torna-se tão leve e cheiroso. Cor de caramelo aliás, mas vê-se negro para se endireitar. Ora lá está, filosofia de vida, cruel.
Suaves trocadilhos que dão vontade de cantar, sem sentido. As cordas partiram, mas dá-lhe um Mi com determinação. Saem desafinadas e ruidosas. O silêncio propaga-se rapidamente, irritante silêncio o da voz.
Corre de vez e não chegues atrasado, é urgente. Milhares estão presentes, nenhum sabe o porquê. Lutam, rastejam, gritam, choram, riem, gozam, julgam.


Filosofia de vida.


Cristiana Martinho

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

.

Não me tenho andado a sentir bem, não sei o que se passa, sinto-me tão cansada e frágil. 
Para ser sincera, não sei como explica-lo. Sei que tenho andado insuportável ou distante e peço imensas desculpas a todos.
E obrigada a todos pelo apoio *


‘Nossos piores inimigos somos nós mesmos.’


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

por amor ?


Cada vez acho mais incrível, ironicamente claro, como tudo se tornou tão miserável e podre. Amar pela aparência ou porque lhe convém ? Por amor de Deus ! O amor já não é aquilo que era, são poucos os que se mantêm fiéis ao dito cujo diziam amar. Onde estão aqueles amores verdadeiros ? Outros tempos diria eu, mas acredito, muito pessoalmente, que ainda existam amores assim, não com tanta frequência.
Poderei parecer antiquáda, mas gosto do que é autêntico e verdadeiro, apenas. Porquê julgar as pessoas pela maneira de vestir ou andar ? Porquê olhar para o exterior quando o mais bonito poderá estar no interior ?


Com amor,
Cristiana Martinho



segunda-feira, 12 de setembro de 2011

engoli em seco


Estava a ouvir o som da água a passar por entre as rochas e pensei : e se tudo tivesse sido diferente ? Se fizesse outras escolhas, conhecesse outras pessoas ? Seria igualmente feliz ?
O facto é que já fui substituída no passado, mais que uma vez. Senti-me enganada, estúpida, mas engoli em seco, não conseguindo guardar rancor nem ódio. Talvez a culpa também tenha sido minha, não quero saber mais disso.
Tenho medo, do impensável ou do real, de se repetir, da vergonha ou tristeza, de momento, tenho medo de tudo.
Gosto de imaginar e da frescura da água, conjugando entre si. Será que sabemos separar a realidade da ficção ?

E se a vida não passar do imaginário de cada um ? Viveremos em sonhos ?

Cristiana Martinho          

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

estúpidos aliás !


Já não vejo as coisas como via antes, mudou tudo tão rapidamente que nem reparei pelo sucedido. Mas por vezes é tão fácil perder tudo o que se conseguiu em meses, anos, bastam segundos. Infelizmente há coisas que não podemos remediar e queria fazer melhor, ser melhor. Tentei, juro que tentei, mas fracassei, por erros estúpidos aliás. Discuti, gritei, chorei, mas por vezes não tinha a razão do meu lado, agora sei isso. Cometi muitos erros, mesmo que alguns sejam insignificantes ou outros desnecessários, já não consigo voltar atrás.

Agora, descobri o caminho correcto a seguir. Não cometerei os mesmos erros, nem deixarei que nada me afecte.
Mas sinceramente, espero não dizer isto em vão.

Cristiana Martinho

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

talvez .




Acho que nunca tive muito jeito para falar de mim ou sobre o que sinto, escondo-me por detrás de palavras criadas na minha cabeça. Sinto-me estúpida e arrependida por tudo o que lhe disse, estava fora de mim. Estava a ser egoísta e não sei se me irás perdoar por isso, mas eu não irei. Talvez pense demasiado em mim, talvez não faça sempre o mais correcto. Não quero que ninguém tenha pena de mim, quero ser apenas eu.
 



Por segundos imaginei-me noutro sítio que não o meu quarto, um espaço completamente aberto e verde. Sentir o vento na minha cara, a frescura do ar e da erva. Paz e tranquilidade, tudo o que desejo agora.

Esperar é uma virtude que tenho a aprender.

Cristiana Martinho

sábado, 20 de agosto de 2011

vulnerável .


Outra vez, corro por caminhos que não conheço, mas de qualquer maneira não me recuso a lutar. Não sei distinguir o quer que seja, bem do mal, verdade da mentira. Sinto-me vulnerável, longe de tudo e todos, apenas comigo. Sinceramente, esta não sou eu, tenho noção disso e sei que voltará mas já não sei ao certo o que se passou para ela não estar agora comigo, é muito relativo.
Não, não sei o que acabei de escrever, tenho necessidade disso, apenas. 

  Eu sinto o que escrevo e não escrevo o que sinto !

Estou cansada, de quê ? Não sei .
Cristiana Martinho

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

perdidas !


Por vezes deparo-me com situações muito curiosas, como por exemplo uma miúda falar de outros como se fossem bestas sem sentimentos. Mas talvez essa miúda queira esconder algo que ela própria receia que venham a descobrir e fazendo isso talvez, de alguma maneira, lhe faça subir o ego, auto-estima. Mas assim, estará a descer mais baixo do que a própria pessoa de que ela falava, seja verdade ou não.
E outra coisa que acho incrível e de certo modo admirável ( sarcasmo ), é o poder de imaginação de certas pessoas ao ponto de inventar coisas relacionadas com outras pessoas, ao ponto de a vítima desse fruto de imaginação nem ter conhecimento do sucedido.
Talvez a vida dos outros seja tão fascinante que algumas pessoas achem interessante opinar sobre tal.



Perdidas ? Mais é impossível.

Cristiana Martinho