sábado, 10 de dezembro de 2011

chuva sobre penas

Dançam ambos sobre chuva intensa que caí sobre a noite escura, suas asas mais belas do que nunca, brilham como estrelas. Com as roupas coladas ao corpo, mas com o calor que cada um transmite, agarrados e fortemente apaixonados.
Anjos de asas brancas e mácias, belos como ninguém vira outrora. Faces tão puramente esculpidas, corpos tão delicadamente defenidos. Ela tão aparemente frágil, ele tão poderoso.
Sobre a pequena luz do luar que os ilumina o suficiente para que continuem a dançar sobre o telhado de um pequeno prédio, sem que ninguém os veja.

Talvez o amor esteja para lá da nossa compreensão, ninguém o sabem defenir ou explicar, ninguém tem uma ideia fixa do que seja. Mas porquê defini-lo quando o que interessa é senti-lo ?


   
 Cristiana Martinho

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

chorei

Situações como esta, faz-me pensar o quando eu gosto de ter um mundo só meu, fechar-me de tudo e todos, apenas eu.
Não, porquê eu posso não ser antipática, apenas acho desnecessário ser simpática com alguém que não goste. Quando mais amigos, falsos amigos, tenha mais problemas me arranjam. Posso ter batido muitas vezes com a cabeça ao ponto de fazer ferida, mas juro que não deixei isso acontecer novamente !
Já chorei pelo errado e pelo certo, já chorei de dor física e emocional, já chorei por amor e por ódio, mas sobretudo já chorei a rir. Pois, descobri que a manifestação de força é disfarçar com um sorriso toda a tristeza que se sente por dentro.

- E que tal aumentarem o volume da música e dançarem ? Dançar até cair ! Não te importes com mais nada nem ninguém.
Arte é uma linguagem, pura comunicação.

Com amor.

Cristiana Martinho